quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Só mais uma loucura...


Não estou tendo bons dias. A vontade de escrever sorrateiramente se escondeu. Acho que está debaixo de minha cama. Não só ela, também o medo que tenho de me machucar novamente. Estão aqui bem próximos de mim, como se não quisessem me deixar esquecer.
Pensei que por ser uma chama pequena e recém nascida não iria me machucar. Me enganei. 
Doeu, ardeu, criou bolhas e está demorando para sarar. 
Decidi me manter afastada de toda e qualquer ameaça. Estou apenas criando uma proteção para não mais sofrer.
O ruim é que mantendo-me completamente afastada do fogo não corro o risco de me queimar, mas ao mesmo tempo entrego-me totalmente ao frio. E esse, apesar de não queimar nem criar cicatrizes também dói. Ainda não consegui mensurar o grau da dor que provoca, mas posso garantir que dói.
Sim, sou melodramática, não posso negar. Não tenho o hábito de sair por aí me apaixonando, mas quando me apaixono é pra valer. 
Ai de mim!
Não sei me apaixonar por um rostinho bonito, nem por uma conta bancária. Não sou hipócrita o bastante para falar que ambos não são boas companhias. Porém, das poucas vezes em que me deixei flutuar por uma paixão foram as palavras que me seduziram. Sedução essa que não pude fazer nada além de aceitar.
Não sei se alguém que ama deseja estar longe. Em mim o desejo de estar perto é tão imenso que acabo criando a pessoa amada da forma que quero. E nos meus devaneios ela sempre me diz sim.
Não é uma forma muito sadia de amar, eu sei.
É o jeito que encontrei para mantê-lo perto de mim.
E toda forma de amar é justa, não é?

8 comentários:

  1. Um dia ouvi dizer que a gente não se apaixona pela pessoa em sim, mas sim por quem nós queremos que ela seja e se pararmos pra analisar isso tem fundamento...

    Bjs =)

    ResponderExcluir
  2. Sim, amiga, toda forma de amor é justa, mas, sinceramente? Eu preferia que toda forma de amor fosse, sempre, indolor. Isso sim seria justo, principalmente com os que amam exageradamente, como nós.

    Você, como sempre, me fazendo sentir seus textos, e mais, me identificar a ponto de achar que as palavras foram arrancadas de mim... Amiga, parabéns pelas escritas!!

    ResponderExcluir
  3. Rodolpho, no fundo é isso mesmo, criamos o ser amado da forma q desejamos, só q nem sempre a farsa consegue durar. Ah, e como sofremos por isso...bjs

    Angel, começo a temer esse sentimento, parece q sempre vem junto com algum tipo de sofrimento. Se houvesse como saber se realmente é pra valer. Infelizmente só resta arriscar. O problema é superar a dor q vem depois...bjs!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada :D
    seguindo de volta flor!
    ;*

    ResponderExcluir
  5. estou seguindo aqui também.
    obrigada.
    até mais.

    ResponderExcluir
  6. EIta menina... bom demais esse teu texto...

    BOm demais ter vindo parar aqui...

    Abraço largo!

    ResponderExcluir
  7. Toda forma de amar é justa sim, toda a forma de sentir vale a pena...ainda que seja dessa forma idealizada, sonhada, inventada, re-editada a nosso bel prazer, ainda assim vale a pena. Oque precisamos é ter plena consciencia do que sentimos e deixar-se sempre esse ser feito de entragas, a vida nunca quis de mim o cuidado extremo, nem o medo, ela sempre quis de mim a exposição...a super-exposição....sem vivencias , não há viver...né!

    Desejo de força pra ti menina.

    Deixo-te um carinho.

    Erikah

    ResponderExcluir
  8. Oi,Metamofroses!Passando aqui para conhecer seu blgo e agradecer sua visita no meu.Já estou te seguindo também.
    Eu também sou assim, intensa me dou por inteira, não messo as consequências dos meus atos e muitas vezes acabo quebrando a cara, precisamos ser um pouco menos intensas, nos entregar com mais reservas,mas é tão fácil falar e tão difícil fazer.
    Um ótimo domingo!
    Beijosss

    ResponderExcluir

Constatação!

Deve ser o silêncio da noite que nos permite ouvir melhor nossos sentimentos, e, as vezes, ele grita.